Não se perca ao entrar...

Aqui contém cenas explícitas de minha nudez ao avesso, para melhor visualização feche seus olhos. (Mary Backes)

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Toma mi mano...


Desnuda la mente, desprende sombras alternas, intercambia sutiles memorias, coge triste sonrisa curiosa que imagina la suspicaz sinceridad de las palabras. Toma mi mano y volemos al purpura jamas visto en tierra.

Andres Arevalo

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

O que amacia a vida, acende o riso


Tenho aprendido com o tempo que a felicidade vibra na freqüência das coisas mais simples. Que o que amacia a vida, acende o riso, convida a alma pra brincar, são essas imensas coisas pequeninas bordadas com fios de luz no tecido áspero do cotidiano.

Ana Jácomo

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Rosa... flor de laranjeira...


 Teu corpo claro e perfeito,
Teu corpo de maravilha
Quero possuí-lo no leito
Estreito da redondilha...
Teu corpo é tudo o que cheira...
Rosa... flor de laranjeira...
Teu corpo branco e macio
É como um véu de noivado...
corpo é pomo doirado...
Rosal queimado do estio,
Desfalecido em perfume...
Teu corpo é a brasa do lume...
Teu corpo é chama e flameja
Como à tarde os horizontes...
É puro como nas fontes
A água clara que serpeja,
em cantigas se derrama...
Volúpia de água e da chama...
A todo momento o vejo...
Teu corpo... a única ilha
No oceano do meu desejo...
Teu corpo é tudo o que brilha,
Teu corpo é tudo o que cheira...
Rosa, flor de laranjeira...

(Manuel Bandeira)

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Expõe tudo, grita, esperneia - no papel


"(...) Se não gostar de ler, como vai gostar de escrever? Ou escreva então para destruir o texto, mas alimente-se. Fartamente. Depois vomite. Pra mim, e isso pode ser muito pessoal, escrever é enfiar um dedo na garganta. Depois, claro, você peneira essa gosma, amolda-a, transforma. Pode sair até uma flor. Mas o momento decisivo é o dedo na garganta (...)" "Escrever - e você sabe disso - pode eliminar essa sensação de gratuidade no existir, de coisas o tempo todo fugindo e se transformando em passado. Eu acho então que se escrever te dá um sentido para estar viva (ou a ilusão de um sentido, que importa?), então vai e escreve e diz tudo e rasga o coração, as vísceras, expõe tudo, grita, esperneia - no papel." "Isso é escrever. Tira sangue com as unhas. E não importa a forma, não importa a "função social", nem nada, não importa que, a princípio, seja apenas uma espécie de auto-exorcismo. Mas tem que sangrar a-bun-dan-te-men-te. Você não está com medo dessa entrega? Porque dói, dói, dói. É de uma solidão assustadora."

Caio Fernando Abreu

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Ter sol...

 
Nada mais que possibilidades. Nada mais que desejos.
E, de repente, ser realização, ser verão, ter sol.

Rainer Maria Rilke

Queridos seguidores.... estou de volta!


Fiquei um tempo afastada do blog , pois não tinha tempo para atualizar devido as provas na faculdade...  Mais aqui estou de voltaa, agora é só curtir... Verão, praia, sol e meu bloguinhooo!
Aos novos seguidores, adorei ter vocês comigo...Sejam bem vindos!!!