Não se perca ao entrar...

Aqui contém cenas explícitas de minha nudez ao avesso, para melhor visualização feche seus olhos. (Mary Backes)

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Toma mi mano...


Desnuda la mente, desprende sombras alternas, intercambia sutiles memorias, coge triste sonrisa curiosa que imagina la suspicaz sinceridad de las palabras. Toma mi mano y volemos al purpura jamas visto en tierra.

Andres Arevalo

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

O que amacia a vida, acende o riso


Tenho aprendido com o tempo que a felicidade vibra na freqüência das coisas mais simples. Que o que amacia a vida, acende o riso, convida a alma pra brincar, são essas imensas coisas pequeninas bordadas com fios de luz no tecido áspero do cotidiano.

Ana Jácomo

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Rosa... flor de laranjeira...


 Teu corpo claro e perfeito,
Teu corpo de maravilha
Quero possuí-lo no leito
Estreito da redondilha...
Teu corpo é tudo o que cheira...
Rosa... flor de laranjeira...
Teu corpo branco e macio
É como um véu de noivado...
corpo é pomo doirado...
Rosal queimado do estio,
Desfalecido em perfume...
Teu corpo é a brasa do lume...
Teu corpo é chama e flameja
Como à tarde os horizontes...
É puro como nas fontes
A água clara que serpeja,
em cantigas se derrama...
Volúpia de água e da chama...
A todo momento o vejo...
Teu corpo... a única ilha
No oceano do meu desejo...
Teu corpo é tudo o que brilha,
Teu corpo é tudo o que cheira...
Rosa, flor de laranjeira...

(Manuel Bandeira)

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Expõe tudo, grita, esperneia - no papel


"(...) Se não gostar de ler, como vai gostar de escrever? Ou escreva então para destruir o texto, mas alimente-se. Fartamente. Depois vomite. Pra mim, e isso pode ser muito pessoal, escrever é enfiar um dedo na garganta. Depois, claro, você peneira essa gosma, amolda-a, transforma. Pode sair até uma flor. Mas o momento decisivo é o dedo na garganta (...)" "Escrever - e você sabe disso - pode eliminar essa sensação de gratuidade no existir, de coisas o tempo todo fugindo e se transformando em passado. Eu acho então que se escrever te dá um sentido para estar viva (ou a ilusão de um sentido, que importa?), então vai e escreve e diz tudo e rasga o coração, as vísceras, expõe tudo, grita, esperneia - no papel." "Isso é escrever. Tira sangue com as unhas. E não importa a forma, não importa a "função social", nem nada, não importa que, a princípio, seja apenas uma espécie de auto-exorcismo. Mas tem que sangrar a-bun-dan-te-men-te. Você não está com medo dessa entrega? Porque dói, dói, dói. É de uma solidão assustadora."

Caio Fernando Abreu

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Ter sol...

 
Nada mais que possibilidades. Nada mais que desejos.
E, de repente, ser realização, ser verão, ter sol.

Rainer Maria Rilke

Queridos seguidores.... estou de volta!


Fiquei um tempo afastada do blog , pois não tinha tempo para atualizar devido as provas na faculdade...  Mais aqui estou de voltaa, agora é só curtir... Verão, praia, sol e meu bloguinhooo!
Aos novos seguidores, adorei ter vocês comigo...Sejam bem vindos!!!

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Precisamos de livros que nos atinjam


"É bom quando nossa consciência sofre grandes ferimentos, pois isso a torna mais sensível a cada estímulo. Penso que devemos ler apenas livros que nos ferem, que nos afligem. Se o livro que estamos lendo não nos desperta como um soco no crânio, por que perder tempo lendo-o? Para que ele nos torne felizes, como você diz? Oh Deus, nós seríamos felizes do mesmo modo se esses livros não existissem. Livros que nos fazem felizes poderíamos escrever nós mesmos num piscar de olhos. Precisamos de livros que nos atinjam como a mais dolorosa desventura, que nos assolem profundamente – como a morte de alguém que amávamos mais do que a nós mesmos –, que nos façam sentir que fomos banidos para o ermo, para longe de qualquer presença humana – como um suicídio. Um livro deve ser um machado para o mar congelado que há dentro de nós."
   
                                                                     (Franz Kafka)

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Eu me permito!


A prova de que estou recuperando a saúde mental, é que estou cada minuto mais permissiva:  
Eu me permito mais liberdade e mais experiências.
E aceito o acaso. Anseio pelo que ainda não experimentei. Maior espaço psíquico.
Estou felizmente mais doida.

(Clarice Lispector)

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

É aceitar doer inteiro até florir de novo


 "Coragem, às vezes, é desapego. É parar de se esticar, em vão, para trazer a linha de volta. É permitir que voe sem que nos leve junto. É aceitar que a esperança há muito se desprendeu do sonho. É aceitar doer inteiro até florir de novo. É abençoar o amor, aquele lá, que a gente não alcança mais."
  
(Ana Jácomo)

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

A beleza de um corpo nu


“A beleza de um corpo nu só a sentem as raças vestidas. O pudor vale sobretudo para a sensibilidade como o obstáculo para a energia”.
(Fernando Pessoa)

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Semeadora


Sentada numa cadeira reforçada
Pisando o tijolo desnudo
Embalando-me no colo
Minha avó contava histórias.
Balançava os braços no falar
Contorcia as faces
Mudava a voz
Cantava belas canções
Para ilustrar
Os fatos que narrava.
E ali, em seus braços
Eu adormecia
Colhendo, talvez
As primeiras sementes
Do meu ser poeta.
 
(Denil W. Tucci)

sábado, 6 de novembro de 2010

E é tão bom não ser divina


A alegria do pecado
Às vezes toma conta de mim
E é tão bom não ser divina

Perfeição demais
Me agita os instintos
Quem se diz muito perfeito
Na certa encontrou um jeito insosso
Pra não ser de carne e osso
Pra não ser carne e osso.

(Zélia Duncan, Carne e Osso)

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Selinhoo


Recebi esse Selinho da minha amiga blogueira Dani http://danielleosantos.blogspot.com/
Flor, fico muito agradecida...Obrigada!


Eis as regras inclusas no selo:

- Exibir a imagem do Selo no Blog
- Exibir o link do blog que você recebeu a indicação
- Escolher 05, 10, 15 ou 30 blogs para dar a indicação e avisá-los.
 
Repasso para:

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Quero ir embora


"Quero ir embora."

Pensou ela um dia. E não foi por irritação momentânea ou um surto temporário, isso porque desde então esse desejo é o motor da sua vida. Era como mil sentimentos reunidos em um. Mil razões para a ânsia de sentir a liberdade que há para além das terras e do mar. Ela não se importava se novecentos e noventa e nove destas mil razões não se justificavam, menos ainda se pareciam loucas para as novecentas e noventa e nove pessoas das mil que ela conhecia. Ela queria mesmo era ir fundo.

Queria sentir frio e medo, a ver se eles fariam sua pele ficar mais grossa. Queria não entender o que eles dizem, a ver se o que não compreendia lhe fazia mais sentido. Ela queria aprender coisas que os livros e as cercas não lhe permitiam conhecer. Ver os prédios e as ruas que lhes pareceriam surreais. Abrir sua mente para o desconhecido e provar para ela mesma algo que sempre suspeitou: "há muito mais que isso".

Não era para sempre e nem era por rebeldia. A verdade é que ela nem gosta desta última palavra. Ela queria mais era sonho. E daí que rissem? Ela tinha certeza que riria muito mais. Mas sabia que choraria também. Ela não tinha medo. Sabia que passaria por isso e que nunca mais seria a mesma.

Ela deve ser um clichê ambulante, mas simplesmente quer porque quer ir além.

(Paula Oliveira)

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

É o tempo da travessia


Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos.
 
(Fernando Pessoa)
  
..............................................
 
 * É preciso estar atento para perceber a hora de "abandonar as roupas usadas". Atenta para perceber quando a vida pede a renovação, a travessia é a evolução, temos que seguir adiante sem ter medo do novo que nos espera.

sábado, 30 de outubro de 2010

O Sorriso de Monalisa


Ela é feliz? Olhe para ela...
Ela parece feliz, mas não está.
Nem tudo é o que parece.


"Nem todas que se desviam, carecem de rumo...
Especialmente quem procura a verdade além da tradição..."


"O horizonte é uma linha imaginaria que se afasta quando nos aproximamos."

(Filme, O Sorriso de Monalisa)

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Do tamanho da paz


Eu quero uma casa no campo
Onde eu possa ficar do tamanho da paz
E tenha somente a certeza
Dos limites do corpo e nada mais.

(Casa no Campo - Zé Rodrix)



 * Ahh, como eu queria uma casinha no campo de pau a pique e sapê!

domingo, 24 de outubro de 2010

O Lado obscuro de cada um de nós


Quando nos esforçamos demasiado por penetrar noutra pessoa, descobrimos que a impelimos para uma posição defensiva e que ela cria resistências porque, nos nossos esforços para penetrar e compreender, ela sente-se forçada a examinar aquelas coisas em si mesma que não desejava examinar. Toda a gente tem o seu lado obscuro que - desde que tudo corra bem - é preferível não conhecer.

Mas isto não é erro seu. É uma verdade humana universal que é indubitavelmente verdadeira, mesmo que haja imensas pessoas que lhe garantam desejar saber tudo delas próprias.

(Carl Jung. In: Cartas)


sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Saiba, todo mundo...



Saiba,
Todo mundo foi neném
Einstein, Freud e Platão também
Hitler, Bush e Sadam Hussein
Quem tem grana e quem não tem

Saiba,
Todo mundo teve infância
Maomé já foi criança
Arquimedes, Buda, Galileu
e também você e eu

Saiba,
Todo mundo teve medo
Mesmo que seja segredo
Nietzsche e Simone de Beauvoir
Fernandinho Beira-Mar

Saiba,
Todo mundo vai morrer
Presidente, general ou rei
Anglo-saxão ou muçulmano
Todo e qualquer ser humano

Saiba,
Todo mundo teve pai
Quem já foi e quem ainda vai
Lao Tsé, Moisés, Ramsés, Pelé
Ghandi, Mike Tyson, Salomé

Saiba,
Todo mundo teve mãe
Índios, africanos e alemães
Nero, Che Guevara, Pinochet
e também eu e você.

(Arnaldo Antunes)

*Somos todos iguais e fazemos parte de um mesmo Todo!!

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

É meu preço não faço por menos


Veneno
Não me beije que eu tenho veneno
É meu preço não faço por menos
Mas depois te amarei

Veneno 
Esta vida é tão pouca e pequena
Nestes lábios tem todo o veneno
Que você ama e quer
Todos os sentidos, cada gota
D'água, nesses mares de prazer

Veneno 
Cor-de-rosa suave e moreno
Nestes seios tem todo o veneno
Que você chama amor

(Marina Lima)

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Ela desatinou...


Ela desatinou, viu chegar quarta-feira
Acabar brincadeira, bandeiras se desmanchando
E ela inda está sambando
Ela desatinou, viu morrer alegrias, rasgar fantasias
Os dias sem sol raiando e ela inda está sambando
 
(Chico Buarque)

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Não é fácil me dar conta do que penso


Filosofia exige uma atenção que não é sempre fácil, porque não é fácil me dar conta do que penso. O fácil muitas vezes é raso, é chapado, é sem profundidade. Filosofia é saber a fundura da superfície das coisas.
(Marcia Tiburi)

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Alguém que você gostaria...


Jogue suas mãos para o céu
Agradeça se acaso tiver
Alguém que você gostaria que
Estivesse sempre com você
Na rua, na chuva, na fazenda
Ou numa casinha de sapê...

 

(Kid Abelha)

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Estou sendo alegre

Recuso-me a ficar triste. Sejamos alegres. 
Quem não tiver medo de ficar alegre e experimentar uma só vez sequer a alegria doida e profunda terá o melhor de nossa verdade.
Eu estou - apesar de tudo, oh; apesar de tudo -, estou sendo alegre neste instante-já que passa se eu não fixá-lo com palavras. 
Estou sendo alegre nesse mesmo instante porque me recuso a ser vencida:
Então eu amo. Como resposta.

(Clarice Lispector - Água viva)

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Pequenas felicidades certas...


“Mas, quando falo dessas pequenas felicidades certas, que estão diante de cada janela, uns dizem que essas coisas não existem, outros que só existem diante das minhas janelas, e outros, finalmente, que é preciso aprender a olhar, para poder vê-las assim."

(Cecília Meireles)

sábado, 2 de outubro de 2010

A vida é meio mágica


“Porque aprendi, que a vida, apesar de bruta, é meio mágica. Dá sempre pra tirar um coelho da cartola. E lá vou eu, nas minhas tentativas, às vezes meio cegas, às vezes meio burras, tentar acertar os passos. Sem me preocupar se a próxima etapa será o tombo ou o vôo…” 

(Caio Fernando Abreu)

terça-feira, 28 de setembro de 2010

socorro, eu não estou sentindo nada



socorro, eu não estou sentindo nada.
nem medo, nem calor, nem fogo,
não vai dar mais pra chorar
nem pra rir.
socorro, alguma alma, mesmo que penada,
me empreste suas penas.
já não sinto amor nem dor,
já não sinto nada.
socorro, alguém me dê um coração,
que esse já não bate nem apanha.
por favor, uma emoção pequena,
qualquer coisa que se sinta,
tem tantos sentimentos,
deve ter algum que sirva.
socorro, alguma rua que me dê sentido,
em qualquer cruzamento,
acostamento, encruzilhada,
socorro, eu já não sinto nada.


(Alice Ruiz)

domingo, 26 de setembro de 2010

A moça do sonho


Súbito me encantou
A moça em contraluz
Arrisquei perguntar: quem és?
Mas fraquejou a voz
Sem jeito eu lhe pegava as mãos
Como quem desatasse um nó
Soprei seu rosto sem pensar
E o rosto se desfez em pó
  
 Por encanto voltou
Cantando a meia voz
Súbito perguntei: quem és?
Mas oscilou a luz
Fugia devagar de mim
E quando a segurei, gemeu
O seu vestido se partiu
E o rosto já não era o seu

Há de haver algum lugar
Um confuso casarão
Onde os sonhos serão reais
E a vida não
Por ali reinaria meu bem
Com seus risos, seus ais, sua tez
E uma cama onde à noite
Sonhasse comigo
Talvez

Um lugar deve existir
Uma espécie de bazar
Onde os sonhos extraviados
Vão parar
Entre escadas que fogem dos pés
E relógios que rodam pra trás
Se eu pudesse encontrar meu amor
Não voltava
Jamais

 

(A moça do sonho - Chico Buarque)


quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Cor de Primavera


"Aquarela flor
  É cor de primavera
O amor pintou
Teus olhos na janela"
Cor de Primavera - (Davi Dimana)



Bem-vinda primavera com seu doce perfume e sua suave dança do desabrochar de pétalas furta-cores.

A simplicidade da vida


 Não é que o mundo seja só ruim e triste. É que as pequenas notícias não saem nos grandes jornais. Quando uma pena flutua no ar por oito segundos, ou a menina abraça o seu melhor amigo, nenhum jornalista escreve a respeito. Só os poetas o fazem. 

Rita Apoena

domingo, 19 de setembro de 2010

Decreto urgente!


Fica decretado que, a partir deste instante,
haverá girassóis em todas as janelas,
que os girassóis terão direito
a abrir-se dentro da sombra;
e que as janelas devem permanecer, o dia inteiro,
abertas para o verde onde cresce a esperança.

Thiago de Mello

sábado, 18 de setembro de 2010

Imensas coisas pequeninas

Maria Borges
 Tenho aprendido com o tempo que a felicidade vibra na freqüência das coisas mais simples. Que o que amacia a vida, acende o riso, convida a alma pra brincar, são essas imensas coisas pequeninas bordadas com fios de luz no tecido áspero do cotidiano.
 
Ana Jácomo

Grite

Maria Borges

 "'Grite', ordenei-me quieta. 'Grite', repeti-me inutilmente com um suspiro de profunda quietude. (...)
Mas se eu gritasse uma só vez que fosse, talvez nunca mais pudesse parar. Se eu gritasse ninguém poderia fazer mais nada por mim; enquanto, se eu nunca revelar a minha carência, ninguém se assustará comigo e me ajudarão sem saber; mas só enquanto eu não assustar ninguém por ter saído dos regulamentos. Mas se souberem, assustam-se, nós que guardamos o grito em segredo inviolável. Se eu der o grito de alarme de estar viva, em mudez e dureza me arrastarão pois arrastam os que saem para fora do mundo possível, o ser excepcional é arrastado, o ser gritante."


(Clarice Lispector, in A Paixão Segundo G.H.)

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Pensando bem...

 Da próxima vez serei a prova de balas. Será?
Humm... pensando bem
Prefiro um coração com  cicatrizes 
do que um coração intocável por medo de amar
Então é isto...
Continuarei sempre suscetível ao amor! 

sábado, 11 de setembro de 2010

Querido Jeremy


"Querido Jeremy, nos últimos dias
Aprendi a não confiar nas pessoas
E estou feliz por ter falhado
As vezes dependemos dos outros como um espelho
Para nos definir e dizer quem somos
E esse reflexo me faz gostar de mim mesma um pouco mais
Elisabeth."

(Trecho do filme, Um beijo roubado)


quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Vamos nos permitir


 Eu quero crer
No amor numa boa
Que isso valha
Pra qualquer pessoa
Que realizar, a força
Que tem uma paixão...
....
Hoje o tempo voa amor
Escorre pelas mãos
Mesmo sem se sentir
Não há tempo
Que volte amor
Vamos viver tudo
Que há pra viver
Vamos nos permitir.
 
(Lulu Santos - Tempos Modernos)


terça-feira, 7 de setembro de 2010

Rosto com dois perfis

 
Renuncio às palavras
e às explicações.
Ando pelos contornos,
onde todos os significados
são sutis, são mortais.
 
Não quero perder o momento
belo.Quero vivê-lo mais,
com a intensidade que exige a vida:
desgarramento e fulguração.
 
Então me corto ao meio e me solto
de mim:
a que se prende e a que voa,
a que vive e a que se inventa.
Duplo coração:
a que se contempla e a que nunca
se entende,
a que viaja sem saber que chega
- mas não desiste jamais.
 
(Lya Luft, in: Para nao dizer adeus)

sábado, 4 de setembro de 2010

Boneca de porcelana


“Ela, na sua magnífica força e coragem,
aprendeu a ser livre;
a gritar quando tem vontade,
a chorar quando precisar chorar
e a sorrir mesmo quando a situação não permitir sorrir.

E, perante os olhos intimadores dos
homens e de tamanha curiosidade,
ela levantou a cabeça e mostrou
que não era
uma boneca de porcelana,
mas que podia ser quebrada
várias vezes
e que sempre conseguia se juntar
sem perder nenhum dos pedaços.”

Clarice Lispector

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Comprometida com as essências


 Tudo em mim tem sido esta vontade de afagar.
Há tempos não me ocupo com outra coisa: em tudo que toco ou manuseio há o propósito de cura através do calor das minhas mãos.
Tudo em mim tem sido a necessidade de vivenciar profundamente.
Se as palavras têm estado ausentes, aceito este recolhimento delas.
E espero que voltem com um coração pulsando muito vivo dentro de cada uma.
Por isso a vontade de experienciar cada sensação plenamente antes de tentar decifrar organizando em textos o que tenho sentido.
Dentro dessa minha desaceleração, tenho descoberto muita coisa como, por exemplo, quão necessário é saber receber amor.
Deixar que tudo seja troca antes de ser um troféu.
Deixar que o caos se mantenha intacto antes que haja ajustes.
Ando muito comprometida com as essências.
E com um respeito súbito, a partir daí, pelas aparências.
Não vejo menores importâncias, vejo acontecimentos.
E tenho olhado pras coisas sem aquela grande gravidade.
Tudo em mim tem sido esta disposição para o amor.
E, se vocês pudessem me ver agora, veriam, existe caricia até no meu olhar.

Marla de Queiroz

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Conflito


Tenho medo das águas do destino
a invadirem o que penso e faço,
numa linha de infinda
contradição.
Eu sou assim:
quero fugir mas chamo,
quero ficar mas me assusta
não ter em mim nada seguro
e certo.
Nunca receio a alegria,
para qual todos os milagres
são normais.
Mas quando tarda quem amo,
meu coração fica exposto
e aberto.
E mesmo assim eu persisto,
e ainda assim espero
ainda, como criança sozinha
atrás do muro.

Lya Luft

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Então, minha querida Amélie

"Não tem ossos de vidro.
Pode suportar os baques da vida.
Se deixar passar essa chance, então,
com o tempo seu coração ficará tão
seco e quebradiço quanto meu esqueleto.
Então, vá em frente, pelo amor de Deus."

(Trecho do filme O Fabuloso Destino de Amélie Poulain)

sábado, 28 de agosto de 2010

Eu te desejo...


 Eu te desejo vida, longa vida
Te desejo a sorte de tudo que é bom
De toda alegria ter a companhia
Colorindo a estrada em seu mais belo tom
Eu te desejo a chuva na varanda

Molhando a roseira pra desabrochar
E dias de sol pra fazer os teus planos
Nas coisas mais simples que se imaginar

E dias de sol pra fazer os teus planos
Nas coisas mais simples que se imaginar

Eu te desejo a paz de uma andorinha
No vôo perfeito contemplando o mar
E que a fé movedora de qualquer montanha
Te renove sempre, te faça sonhar

Mas se vier as horas de melancolia
Que a lua tão meiga venha te afagar
E a mais doce estrela seja tua guia
Como mãe singela a te orientar

Eu te desejo mais que mil amigos
A poesia que todo poeta esperou
Coração de menino cheio de esperança
Voz de pai amigo e olhar de avô

Coração de menino cheio de esperança
Voz de pai amigo e olhar de avô

Eu te desejo - Flávia Wenceslau






quarta-feira, 25 de agosto de 2010

A vida só se dá pra quem se deu


Quem já passou por essa vida e não viveu
Pode ser mais, mas sabe menos do que eu
Porque a vida só se dá pra quem se deu
Pra quem amou, pra quem chorou, pra quem sofreu
Ah, quem nunca curtiu uma paixão nunca vai ter nada, não
Não há mal pior do que a descrença
Mesmo o amor que não compensa é melhor que a solidão
Abre os teus braços, meu irmão, deixa cair
Pra que somar se a gente pode dividir
Eu francamente já não quero nem saber
De quem não vai porque tem medo de sofrer
Ai de quem não rasga o coração, esse não vai ter perdão
Quem nunca curtiu uma paixão, nunca vai ter nada, não

Vinícius de Moraes

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Por favor...


Quero te conhecer menos, mexer menos em teus objetos, em tuas gavetas, em tuas roupas.
Que seja dispensado das cartas, do que levas na bolsa, de teus filmes prediletos, de teus diários, de teus pentes, de tuas jóias em estojo de diploma, de teu escapulário da primeira comunhão, de teus blusões em fila dupla, de teus varais com as roupas ao avesso, de tuas superstições de consultar as portas de noite, de tua fobia em atender telefone, de tua ânsia em me contar as novidades, de tua loucura em me agüentar, de tua sabedoria em me acalmar, de tua facilidade em se dividir com as amigas, de tua coleção de brincos quebrados, dos álbuns de fotografias em ordem cronológica, dos clipes emendados uns nos outros no
computador, dos bilhetes amarelos na geladeira, de tua compulsão em comprar presentes, de tua mania de consultar o horóscopo, dos teus quindins, de tua mania em dormir enroscada, de salgar a comida um pouco mais do que se deveria.
Não me mande mais nada. Não me dê lembranças, músicas, poemas, sapatos, isqueiros, não quero juntar esmolas de tuas coisas, não quero fazer um santuário de tuas coisas, não quero encaixotar tuas coisas, não
quero peregrinar as mãos em tuas coisas como se fosse tua mão esperando na mesa. Minha mão ossuda depende de tua pele para respirar folgas.
Tiras proveito da consciência que vou formando de ti enquanto me desinformo do mundo. Não desejo descobrir o que tocaste senão amarei muito mais do que se tivesse tocado. Não me fales "gosto daquilo" que já estarei gostando junto. Evite comentários.
Não me digas "vamos naquele restaurante" que será mais um lugar para te esperar. Não inventes deitar na grama no domingo que o sol grudará nos dentes.
Não narres aos ouvidos da cama o que podemos sentir.
Não ponhas trilha no celular, não troques as almofadas, não escolhas as toalhas e os lençóis, controla essa mania de se espalhar por tudo, de botar teu cheiro por dentro de minha boca.
Não abras mais o leite sem romper o lacre, não deixes a gaveta entreaberta, a torneira entreaberta, meu corpo entreaberto. Não reclames do que não fiz, que farei de novo para chamar tua atenção.
Não arrumes minha gravata, que me acostumarei a pedir conselhos. Não arrumes minha gola que o vento é mesmo enviesado. Quero te conhecer menos para não sofrer depois tanto tua perda.
Mas deveria ter dito isso antes.
Fabrício Carpinejar

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Me encante...


Me encante da maneira que você quiser, como você souber.
Me encante, para que eu possa me dar…

Me encante nos mínimos detalhes.
Saiba me sorrir: aquele sorriso malicioso,
Gostoso, inocente e carente.

Me encante com suas mãos,
Gesticule quando for preciso.
Me toque, quero correr esse risco.

Me acarinhe se quiser…
Vou fingir que não entendo,
Que nem queria esse momento.

Me encante com seus olhos…
Me olhe profundo, mas só por um segundo.
Depois desvie o seu olhar.
Como se o meu olhar,
Não tivesse conseguido te encantar…

E então, volte a me fitar.
Tão profundamente, que eu fique perdido.
Sem saber o que falar…

Me encante com suas palavras…
Me fale dos seus sonhos, dos seus prazeres.
Me conte segredos, sem medos,
E depois me diga o quanto te encantei.

Me encante com serenidade…
Mas não se esqueça também,
Que tem que ser com simplicidade,
Não pode haver maldade.

Me encante com uma certa calma,
Sem pressa. Tente entender a minha alma.

Me encante como você fez com o seu primeiro namorado…
Sem subterfúgios, sem cálculos, sem dúvidas, com certeza.

Me encante na calada da madrugada,
Na luz do sol ou embaixo da chuva….

Me encante sem dizer nada, ou até dizendo tudo.
Sorrindo ou chorando. Triste ou alegre…
Mas, me encante de verdade, com vontade…

Que depois, eu te confesso que me apaixonei,
E prometo te encantar por todos os dias…
Pelo resto das nossas vidas!!!

Pablo Neruda

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Dia Mundial da Fotografia

Hoje, comemoramos o Dia Mundial da Fotografia, a arte de compor e escrever com a luz.

Ansel Adams
“No ato de fotografar trazemos todos os livros que lemos, os filmes que vimos, a música que ouvimos, as pessoas que amamos” – Ansel Adams

 
Henri Cartier-Bresson
 “De todos os meios de expressão, a fotografia é o único que fixa para sempre o instante preciso e transitório” - Henri Cartier-Bresson

Aproveito a data para mandar um abraço especial para o fotógrafo e amigo blogueiro Joffre Oliveira.