Não se perca ao entrar...

Aqui contém cenas explícitas de minha nudez ao avesso, para melhor visualização feche seus olhos. (Mary Backes)

terça-feira, 28 de setembro de 2010

socorro, eu não estou sentindo nada



socorro, eu não estou sentindo nada.
nem medo, nem calor, nem fogo,
não vai dar mais pra chorar
nem pra rir.
socorro, alguma alma, mesmo que penada,
me empreste suas penas.
já não sinto amor nem dor,
já não sinto nada.
socorro, alguém me dê um coração,
que esse já não bate nem apanha.
por favor, uma emoção pequena,
qualquer coisa que se sinta,
tem tantos sentimentos,
deve ter algum que sirva.
socorro, alguma rua que me dê sentido,
em qualquer cruzamento,
acostamento, encruzilhada,
socorro, eu já não sinto nada.


(Alice Ruiz)

3 comentários:

Rodrigo Passos disse...

LINDO POEMA!

Maria Borges disse...

Oi Rodrigo!
Eu adoro este poema da Alice Ruiz, realmente ele é muito lindo!!
Obrigada pela sua visita...Bjos

Lary Scamp disse...

gostei daqui, depois da uma passadinha no meu blog. bjos.